IDDH participa de Audiência Pública sobre Execução Penal e a situação do Sistema Prisional em Joinville/SC

08 de junho de 2017   •   Notícias

 

 

Nesta última segunda-feira, dia 05/06, a convite da Comissão de Participação Popular e Cidadania da Câmara de Vereadores, o IDDH participou da Audiência Pública sobre execução penal e a situação do sistema prisional em Joinville, representado por sua Assessora de Formação Daniela Rosendo. Dentre os presentes estava também o Juiz da Vara de Execução Penal de Joinville, João Marcos Buch, os Conselheiros da OAB, Nicholas Alves e Omar Pereira da Costa, a presidente do Conselho Carcerário Cynthia Pinto da Luz, o Secretário Municipal de Assistência Social, Vagner Ferreira de Oliveira, a Defensora Pública Fernanda Aparecida Silva de Menezes, a Vereadora Tânia Larson, os Vereadores Richard Harrison, Maurício Peixer, Natanael Jordão, Rodrigo Coelho, Rodrigo Fachini, Fernando Krelling, o diretor do Presídio Everton Ribeiro e da Penitenciária João Renato Schitter, além de familiares de pessoas que estão privadas de liberdade.

A partir da apresentação do “Diagnóstico sobre o Presídio Regional de Joinville” publicado pela OAB da Subseção de Joinville em 19/05, foi discutida a situação precária na qual se encontra o Presídio Regional e a possibilidade de sua interdição pelo Juiz Corregedor, Dr. João Marcos Buch. O diagnóstico realizado pela Comissão de Assuntos Prisionais descreve problemas graves de caráter estrutural e administrativo do Presídio Regional como a situação de saúde precária, presos de baixa periculosidade em contato com facções criminosas, reincidência ignorada e excesso de prisões provisórias, a superlotação da área masculina, entre outros.

Em sua fala, Daniela Rosendo chamou atenção para a necessidade de se realizar um recorte de gênero para analisar a situação do cárcere em Joinville. O presídio de Joinville destina às mulheres privadas de liberdade uma área totalmente improvisada e com irregularidades, em desacordo com os preceitos da Constituição Federal e dos compromissos firmados pelo Estado no âmbito internacional. Daniela ressaltou que embora o presídio feminino esteja sendo construído, o que queremos é menos mulheres presas, quando falou também sobre a necessidade de ser garantida a prisão domiciliar na hipótese das mães de crianças. Muitos magistrados e promotores por meio de seus pedidos ignoram o diploma legal inserido pela Lei. nº 13.257 , violando desta forma não somente os direitos das mulheres que acabam sendo submetidas indevidamente ao cárcere, mas também de seus filhos. Além disso, Assessora de Formação enfatizou a violação de direitos humanos que ocorrem também nas revistas vexatórias pelas quais as visitas precisam passar para realizarem às visitas no presídio, requerendo o fim dessa prática.

O IDDH é membro do Conselho Carcerário de Joinville, compondo a diretoria da atual gestão, e trabalha também em parceria com a Clínica de Direitos Humanos da UNIVILLE.

* Todas as imagens são de autoria da Câmara de Vereadores de Joinville/SC.

170505 Audiencia Publica Presidio Regional Comissão Participação Popular (2)

170505 Audiencia Publica Presidio Regional Comissão Participação Popular (93)

170505 Audiencia Publica Presidio Regional Comissão Participação Popular (25)

 

 

 

 

170505 Audiencia Publica Presidio Regional Comissão Participação Popular (10)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *