Exposição Olhares do Brasil

O que múltiplos Olhares do Brasil nos contam sobre os direitos humanos no nosso país? Após enfrentar a pior crise sanitária e humanitária dos últimos 100 anos, o Brasil perdeu quase 665 mil vidas, durante a pandemia de Covid-19. Além de observamos um crescimento das desigualdades, da exclusão socioeconômica e da discriminação.

Para refletir sobre o cenário dos direitos humanos no Brasil, pré e pós-pandemia, o Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos (IDDH), organizou o edital Olhares do Brasil, com o objetivo de destacar o trabalho de artistas brasileirxs que abordam em suas obras temas relacionados à saúde, orientação sexual e identidade de gênero, discriminação e violência contra as mulheres, povos indígenas, meio ambiente, defensoras e defensores de direitos humanos e mais.

O IDDH acredita na arte como componente da educação e cultura em direitos humanos, essencial ao exercício da cidadania. Ao reverberar nas pessoas, a arte produz um movimento. Com ela, contestamos, nos emocionamos, viajamos a lugares que nunca estivemos e abrimos os olhos para realidades que relutamos tanto em enxergar.

Por isso, compartilhamos aqui, na exposição virtual, diversos e múltiplos Olhares do Brasil. A exposição é um convite pra você refletir conosco, para reafirmarmos nossa luta pela contínua defesa dos direitos humanos.

Conheça o edital Olhares do Brasil

Promovido pelo Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos (IDDH), o edital Olhares do Brasil recebeu cerca de 100 obras, de artistas entre 8 e 74 anos, de todas as regiões do país. 11 delas ilustram relatórios elaborados pelo Coletivo RPU Brasil — coalizão que reúne mais de 30 organizações/redes que monitoram os direitos humanos no país através de um mecanismo da ONU chamado Revisão Periódica Universal (RPU).
Eles foram enviados ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos em março e serão publicamente lançados em maio de 2022, na página de publicações do Coletivo RPU, dentro da Plataforma RPU Brasil.
Dentre os assuntos trabalhados nos relatórios estão: saúde, orientação sexual e identidade de gênero, discriminação e violência contra as mulheres, povos indígenas, meio ambiente, defensoras e defensores de direitos humanos e mais.

Conheça o edital Olhares do Brasil

Promovido pelo Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos (IDDH), o edital Olhares do Brasil recebeu cerca de 100 obras, de artistas entre 8 e 74 anos, de todas as regiões do país. 11 delas ilustram relatórios elaborados pelo Coletivo RPU Brasil — coalizão que reúne mais de 30 organizações/redes que monitoram os direitos humanos no país através de um mecanismo da ONU chamado Revisão Periódica Universal (RPU).
Eles foram enviados ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos em março e serão publicamente lançados em maio de 2022, na página de publicações do Coletivo RPU, dentro da Plataforma RPU Brasil.
Dentre os assuntos trabalhados nos relatórios estão: saúde, orientação sexual e identidade de gênero, discriminação e violência contra as mulheres, povos indígenas, meio ambiente, defensoras e defensores de direitos humanos e mais.

Sobre as obras

O Olhares do Brasil cumpriu o objetivo de divulgar artistas brasileirxs que também trabalham para dar visibilidade à situação dos direitos humanos no país e contemplou a pluralidade de olhares para temas tão sensíveis.

Foram cerca de 100 obras inscritas, de todas as regiões do Brasil, e de pessoas entre 8 e 74 anos. Cada artista pode inscrever sua obra para um ou mais relatórios, relacionando o tema do seu trabalho com os assuntos abordados nos documentos.
As 11 obras selecionadas foram escolhidas pelos grupos responsáveis por cada relatório e misturam diferentes técnicas: fotografia, ilustração, colagem, grafite, costura, desenho, pintura etc. Além da apresentação na ONU, os relatórios também ficarão disponíveis para download no site oficial da RPU e na Plataforma RPU Brasil.

Sobre as obras

O Olhares do Brasil cumpriu o objetivo de divulgar artistas brasileirxs que também trabalham para dar visibilidade à situação dos direitos humanos no país e contemplou a pluralidade de olhares para temas tão sensíveis.
Foram cerca de 100 obras inscritas, de todas as regiões do Brasil, e de pessoas entre 8 e 74 anos. Cada artista pode inscrever sua obra para um ou mais relatórios, relacionando o tema do seu trabalho com os assuntos abordados nos documentos.
As 11 obras selecionadas foram escolhidas pelos grupos responsáveis por cada relatório e misturam diferentes técnicas: fotografia, ilustração, colagem, grafite, costura, desenho, pintura etc. Além da apresentação na ONU, os relatórios também ficarão disponíveis para download no site oficial da RPU e na Plataforma RPU Brasil.